segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Dourado tem poesia.




Saudações.

Senhor tu me deste a vida
Para um dia eu viver
Puseste no jardim a rosa florida
Para eu colher


Senhor, tu que me deste tudo de que precisei
Deste o sol que me aquecia
Foi um dia em que eu chorei
Onde tu puseste alegria onde não havia


Eu procurava carinho, amor e ternura
E encontrei
As dolorosas dores, que com doçura
Eu resgatei


Senhor tu me fizeste feliz
Quando há tantos que choram, e têm solidão
Pois eu sempre quis
Te agradecer tudo isso de todo o coração


Senhor, tu és um Santo
Um belo dia o sol raiou e a janela estava aberta
A tua luz iluminou
A minha vida que de escuro estava coberta


Senhor, só resta te saudar
Nesta hora tão bonita e alegre
Tudo de bom na minha vida veio a nascer
O sol no entardecer
Faz com que a gente escreva
Versos, poemas e cartões
Assim, Senhor, posso te agradecer


Poesia retirada do livro "Esperanças" da Srta. Ana Keylla Munhoz.


Hino de Dourado.


Quando em Tempos distantes
Em que os bravos bandeirantes
Desvendavam os sertões
Buscavam pedras preciosas


Atrás de si uma clareira
Aberta na trilha aventureira
Princípio de civilização
Solitárias choupanas levantadas
Aos poucos eram habitadas
Surgindo a população


REFRÃO:
Se a vida é um régio presente
Que o Senhor tão generosamente
Concede a todos os filhos seus
Nossa querida Dourado
Nascer no teu solo amado
Privilégio dado por Deus


Sem sentir foi crescendo
O povo então foi requerendo,
De um padroeiro a proteção
Veio São João Batista dos Dourados
Mas o vizinho Bebedouro
Instava por si o logradouro
Foi lá que no início se instalou
Pois o santo, conforme diz a lenda
Por conta decide essa contenda
Então padroeiro se tornou!


REFRÃO:


Assim a cidade que cresceu
E tantas belezas recebeu
Até a ferrovia que partiu
Agora a lembrança permanece


Chegando o fim da jornada
E a nossa missão já terminada
Enfim a hora de partir
Deus concede repouso neste abrigo
No chão amado tão amigo
Para sempre o seu calor sentir


REFRÃO:


Poesia: Sra. Miltes Bueno Galassi.


Falar do Próximo.


Não gosto de falar do próximo-
Essa frase me surgiu-
Falá da vida do João Branco
Ele mesmo é que pediu
Há tempo ele mora no sítio
Muita roça ele carpiu
Resolveu largá daquilo
Veja o ramo que seguiu
Vendê bilhete de loteria
Muito bem ele saiu.
Levô sempre a vida mansa
Boa casa possuiu


Pra falá do que eu sei
Pra isso sô muito franco
35 anos vendeu bilhete e
Até hoje por enquanto
Não deu a sorte pra Dourado
Nem com promessa pra algum Santo
Até parece impossível
Representa um encanto
Té mudaro o nome dele
Que lastrô por todo canto
Nome próprio é João Braga
É conhecido por João Branco


Braga tinha uma freguesia boa
A dinheiro ou até fiado
Onde tinha o Nardinho
Que tava sempre ao seu lado
Comprava bilhete em pedaço
E também bilhete fechado
Sendo um rapaz honesto
Seus negócios legalizado
Sempre pagou suas contas
Em prazo e dia marcado
Assim fala quem conhece
Todo o povo de Dourado
...........................................


... A vida seria um paraíso
Se todos tivesse união
mas pelo orgulho e vaidade
Aí reina a separação
Ninguém vê que a vida é uma passagem
Ninguém se perde por ser bão
O que não quer a ti não deseje a outros
Esta é a nossa obrigação
Se assim todos procedesse
A verdade conhecesse
Ninguém freqüentava a grade da prisão.


Trechos de "Poemas" do Senhor João Jacob Klain.




A poesia que nossos conterrâneos declamam expressam o sentimento íntimo com Deus e a amizade de dias que já passaram mas que ficam registrados no tempo em forma de versos. É ainda uma forma de homenageá-los pelo amor à cidade e a mensagem que nos transmitem representam as emoções vividas em Dourado.
Livros como estes podem ser encontrados no Centro Cultural Miltes Bueno Galassi à Avenida da Saudade em Dourado.




Ver também: