quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A História dos Filmes de Faroeste em Dourado.

 

O que poucos douradenses sabem que por volta dos anos 70 a cidade de Dourado foi cenário de Filmes estilo “western”. Assim como várias cidades do interior do estado de São Paulo serviram às produções do mesmo gênero influenciados pelos Filmes Americanos de artistas como John Wayne, Fred Mc Murray, Roy Rogers, Rochy Lane e outros.
O Cinema Nacional, à época, era atraído à uma região onde cortavam as Estradas de Ferro, entre elas a “Douradense”, e escoavam nosso principal produto: o café produzido nas fazendas paulistas. Além de oferecer paisagens exuberantes cortada por rios, morros e encostas que ligados ao clima e matas tropicais constituíam um perfeito cenário para os filmes de faroeste.

Em Dourado, para a produção de Pedro Canhoto, o vingador erótico, de Raffaele Rossi foi montado em um galpão um set completo com fachadas de saloon, cadeia, estábulo, banco, casa e armazéns, uma vez que a ação do filme se passa numa fictícia cidade mexicana. Rossi, italiano de Arsiero, chegou ao Brasil em 1954 e sua ligação com o cinema começou em 63, com venda de equipamentos; dedicou-se à fotografia, depois à edição e produção. É tido como um dos grandes do gênero pornochanchada. Fez filmes em 1971 até 1981. Em Pedro Canhoto, que é de 1973, usou alguns atores profissionais e vários figurantes locais, entre os quais atores de teatro de São Carlos, como Dirce Semensato, que fazia parte do elenco do grupo Porão 7.
 


Fotos de Cenas de "Pedro Canhoto" - Filme gravado em 1973 em Dourado.







Assim nos conta em seu livro; “Cinema Marginal: O Faroeste Caipira”, de Névio Dias e Getúlio Alho. Editora Instituto Cultural de Artes Cênicas do Estado de São Paulo – ICACESP – 2011.

Névio Dias nasceu em São Caetano do Sul, SP, 4 de dezembro de 1922. Analista Acadêmico, funcionário aposentado USP/São Carlos. Membro fundador da FETAC – Federação de Teatro Amador do Centro, Estado de São Paulo.

Getúlio Alho escreve ficção e teatro. É arquiteto, ator e diretor de teatro. Tem contos publicados em vários periódicos e antalogias, muitos dos quais premiados reunidos no Livro Inverno Verde (Editora Valer, 2002).

O livro “Cinema Marginal: O Faroeste Caipira” é um importante documentário sobre os principais filmes do Cinema Nacional gravados em São Carlos e região, no início do século 20. Destacam-se nesta obra literária nomes de artistas consagrados pela empresa cinematográfica, entre eles, Ronald Golias e o histórico de filmes protagonizados. Sinopses, fichas técnicas e fotos das cenas.

Video: You Tube.







O ICACESP é uma entidade sem fins lucrativos e tem por finalidade a promoção, pesquisa e estudos na área cultural e promoções de ações culturais.

Atuação do ICACESP.
Preocupados com a situação de abandono em que se encontrava a produção cultural do interior paulista, que atingia diretamente as Artes Cênicas, o ICACESP elaborou em 1997 um documento intitulado Carta de Sorocaba apresentado à Assembléia Legislativa através do então Deputado Oswaldo Justo, obtendo amplo apoio parlamentar, sendo encaminhado ao Governo do Estado. Dada sua repercussão, em 2000 foi elaborado outro documento, intitulado Carta de Guarujá, no qual aquelas críticas foram mais contundentes. Este documento mereceu do então Governador Mário Covas uma atenção especial e algumas medidas foram adotadas para amenizar a omissão do Estado perante o processo cultural do interior paulista. Desde então o ICACESP se mantém atento à política cultural, apoiando as federações de teatro amador e os produtores culturais para que o Estado estimule os grupos através de patrocínios, verbas, cursos, seminários, oficinas culturais, publicação e distribuição de textos teatrais e material técnico. É importante que o Estado volte a patrocinar o Festival Estadual de Teatro Amador, a exemplo do que se fazia nas décadas de 60 e 70 e, através do Prêmio Governador do Estado, a distribuição de bolsas de estudo para atores e técnicos que se destacarem.

ICACESP – Instituto Cultural de Artes Cênicas do Estado de São Paulo.
Sede: Av. Henrique Gregori, 1324, 13575-000. São Carlos, SP.


Sinopses de Filmes produzidos em Dourado - VR Filmes.

A Expedição:

Um dos filhos de um empresário com problemas de saúde, contrata um grupo de amigos para buscar uma planta medicinal que pode curar o pai, obrigando-os a uma perigosa aventura em meio à floresta tropical.
Longa metragem, sonoro, ficção.
Roteiro baseado: “Pharoons, a um passo do perigo” de João Santiago; VHS; cor 1997; Locação: Dourado, SP; Apoio: Pedro Dias Aguiar, José Miguel Demeti (Déo), Luciano Castelucci (Locadora Paradiso), Bijú (Auto-posto Avenida) e Felício Grego;
Gênero: Aventura;
Direção: Oswaldo Virgilio (Tijolinho);
Câmera: Roberto Virgilio e Tijolinho;
Trilha sonora e Montagem: Tijolinho;
Elenco: Paulo Alcaide, Márcio Marigo, Tijolinho, Luana Ferreira, Adriese Luceli Miguel, João Santiago, Antonio Carlos de Almeida, Silvio Rossi, Roberto Virgilio, João Rossi e Os Nativos.


Alfândega:

Um rapaz, vendo malogrados seus esforços em obter uma profissão honrada, vai para o exterior e, aliando-se a novos parceiros, rouba uma fortuna em diamantes convertidos em dinheiro. Retorna à terra natal esperando seguir uma vida de negócios e lucro, porém os fatos atrapalham esses planos. Depois de muitos percalços, consegue a tão sonhada estabilidade.
Longa metragem, sonoro, ficção, VHS; cor; 1997;
Locação: Dourado, SP;
Produtora: VR Filmes – Voluntários Reunidos;
Gênero: Aventura;
Direção: Oswaldo Virgilio (Tijolinho);
Câmera: Roberto Virgilio;
Trilha sonora e Montagem: Tijolinho;
Elenco: Sônia Pavês, Antonio Carlos Almeida (Jacó), José Salvador da Silva, Adriese Luceli Miguel, José Luiz Struzzioto, João Santiago.


O Espírito da Coisa:

Professor jovem lê no jornal notícia sobre a fuga de presos e um anúncio que promete um milhão de dólares pela captura dos marginais. Com esse objetivo, entra para uma suposta máfia, mas acaba sendo morto pela verdadeira organização.
Longa metragem, sonoro, ficção, VHS; cor; 1998;
Locação: Dourado, SP;
Produtora: VR Filmes – Voluntários Reunidos;
Gênero: Comédia;
Direção: Oswaldo Virgilio (Tijolinho);
Câmera: Roberto Virgilio;
Trilha sonora e Montagem: Tijolinho;
Elenco: Tijolinho, Antonio Carlos Almeida (Jacó), Juninho, Roberto, Nego (Anderson). Participação Especial: José Castelucci.




Na Linha de Tiro:

José é um garimpeiro de poucos recursos e é perseguido por um trio de malfeitores constituído por Gregory, um ex-juiz, Paco, sujeito violento e implacável, e a jovem Gabi. O trio se especializa em roubar e eliminar garimpeiros que conseguem alguma coisa na lavra. Os assaltos continuam até que Gaetho, irmão gêmeo de José, dando pela falta do irmão e em companhia de Alemão, um negro forte e destemido, parte para o revide. Na batalha Gregory é morto, Pablo e Alemão são feridos; Gabi escapa. Gaetho é ferido e cai no rio e some, ficando o mistério do seu fim.
Longa metragem, sonoro, ficção, cor, VHS; 1999;
Locação: Dourado, SP;
Produtora: VR Filmes – Voluntários Reunidos;
Apoio: José Demeti (Déo), Fazenda Hotel Bela Vista (Pedro Dias Aguiar), Locadora Paradiso, Luciano Catelucci, Auto Posto Avenida, Bijú e Felício Grego;
Gênero: Comédia;
Direção: Oswaldo Virgilio (Tijolinho);
Câmera: Roberto Virgilio;
Trilha sonora e Montagem: Tijolinho;
Elenco: Paulo Alcaide, João Santiago, Tijolinho, Luana Ferreira, Antonio Carlos Almeida, Sérgio Grego.




Veja também neste Blog: